sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Cego guiando cego

A passagem do Evangelho de hoje é muito conhecida e, como qualquer outra passagem da Sagrada Escritura, palavra viva e sempre atual:


Evangelho
Lc:6,39-42



Propôs-lhes também esta comparação: Pode acaso um cego guiar outro cego? Não cairão ambos na cova? O discípulo não é superior ao mestre; mas todo discípulo perfeito será como o seu mestre. 
Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão e não reparas na trave que está no teu olho? Ou como podes dizer a teu irmão: Deixa-me, irmão, tirar de teu olho o argueiro, quando tu não vês a trave no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e depois enxergarás para tirar o argueiro do olho de teu irmão.

Dedo Apontando

Nâo é de hoje que o ser humano tem se mostrado muito disposto a apontar o dedo - para os erros dos outros. Dá para notar até certo prazer em muitos ao fazer isso, além do orgulho de se achar melhor que todo mundo acreditando que só os outros é que pisam na bola.

Hoje, com a internet, pode-se dizer que estamos numa geração rica de críticos "blogueiros", incluindo esse que está a digitar.

Um pouco antes dessa passagem, Jesus ensina - melhor ainda - dá uma ordem clara de não julgar, para não ser julgado, não condenar para não ser condenado, no versículo 37.

De minha parte reconheço julgar muitas vezes. Basta fugir do conceito que tenho conhecimento como certo e justo. Venho procurando desenvolver a auto-crítica, para justamente seguir o ensinamento de Jesus no Evangelho de hoje: tirar a trave do olho para poder ver e tirar o argueiro do olho do próximo. Preciso reconhecer meus erros, corrigí-los, e aí sim ter condições de corrigir o outro que vejo cometendo os mesmos erros. Pois é sabido que é de grande sabedoria aprender com os próprios erros, e mais ainda com os erros dos outros. E nisso é importante tirar a idéia falsa da cabeça de que desgraça só acontece com "os outros". Lembro bem de uma reportagem em 2008, quando teve uma forte epidemia de dengue no Rio de Janeiro: um repórter entrevistando um pai de família onde todos contraíram a doença. Qual a justificativa do carioca? 
- Ah! A gente pensava que só acontecia com os vizinhos...


Devemos abrir o olho literalmente e espiritualmente, para não ser cego e querer guiar cego, buscando viver os ensinamentos do Mestre, como Maria indica: fazei tudo o que Ele vos disser!

Nenhum comentário:

Postar um comentário